Um ano | One year

Há um ano atrás no vôo entre Lisboa e Boston olhávamos um para o outro com um ar aterrorizado enquanto dizíamos “em que é que nos fomos meter?”. Todas as dúvidas e possíveis situações menos boas nos passaram pela cabeça naquele momento e assolava-nos o medo do desconhecido. Nunca tínhamos feito nada deste género mas depois de ter largado trabalhos, casa e a nossa vida em Lisboa, desistir sem sequer tentar não se afigurava uma hipótese possível. O pior que podia acontecer? Detestarmos e voltar para casa passado um mês.

Afinal não detestámos e este foi talvez o ano mais longo da minha vida. Não porque tenha custado a passar mas porque a diversidade de experiências, os desafios constantes e a quantidade de amigos feitos fazem com que a rotina da viagem não tenha um dia igual ao outro.

É incrível pensarmos na quantidade de coisas que aprendemos neste ano, sobre os países onde vivemos, sobre meteorologia, sobre bicicletas, sobre sistemas montanhosos, sobre história, sobre revoluções, sobre as condições de vida noutros países e sei lá que mais. Coisas tão importantes como Pancho, em Espanhol, ser o diminutivo de Francisco, que Um Bongo sabe a goiaba e não à mistura de oito frutas, que os animais são seres adoráveis e espectaculares, que a maioria das pessoas gosta de ajudar, que o vento tem uma grande influência no que toca à bicicleta ou como nos sentirmos em casa em casa de estranhos tornados amigos.

Infelizmente a passagem do tempo não é marcada apenas nas aprendizagens dos nossos cérebros e a dureza da viagem começa a fazer-se notar nos alforges que perdem as cores, nas roupas que se começam a desfazer, em solas que se descolam, nas bicicletas que vão sofrendo mossas, e em nós, no bronze às riscas, no cabelo que só foi cortado uma vez, nas marcas das picadas de mosquito, na busca cada vez maior de conforto para passar as noites e especialmente nas saudades da família, dos amigos, de Portugal e até de bacalhau.

13.000 Km e 365 dias depois continuamos em ampla descoberta um do outro e ainda não nos cansámos da nossa eterna companhia, embora às vezes gostássemos de voltar a ter aquelas saudades que se sentem ao fim do dia de trabalho separados, com a consequente novidade na conversa. Mas não nos podemos queixar, afinal de contas continuamos a ter a melhor lua-de-mel do mundo. Estamos prontos para mais um ano!

Sara Marques de Sousa

GOPR0983

 

A year ago flying between Lisbon and Boston we looked terrified at each other as we said ” what are we getting in?”. All questions and possible not so good situations passed in our heads at that time and the fear of the unknown worried us. We had never done anything of this kind but after leaving work, home and our life in Lisbon, giving up without even trying did not seem a possible hypothesis. The worst that could happen? Hating it and go home after a month.

After all we did not hate it at all and this was perhaps the longest year of our lives. Not because it was hard but due to the diversity of the experience, the constant challenges and the huge amount of friends we made, the trip routine has no two days alike.

It’s amazing to think of the amount of things we learned this year about the countries where we lived, the weather, bicycles, mountain systems, history, revolutions, the living conditions in other countries and who knows what else. Things as important as Pancho, in Spanish, being the diminutive of Francisco, that animals are adorable and amazing creatures, that most people like to help, that the wind has a great influence when it comes to cycling or feel at home in the house of strangers who soon become friends.

Unfortunately the passage of time is marked not only by the learning in our brains and the toughness of the trip starts to make an appearance on the panniers who lose their colors, the clothes tare turning into rags, soles are starting to unstick, the bikes are subject to dents, and we have weird suntans, the hair that was cut only once, we have marks from mosquito bites, we search for greater comfort to spend the nights and we miss our families, friends, Portugal and even codfish.

13,000 Km and 365 days later we are still in wide discovery of each other and still not tired of our eternal company, although sometimes we would like to once again feel that we missed each other after a day of work and consequently have something else to talk about. But we can’t complain, after all we are having the best honeymoon in the world. We are ready for the next year!

Sara Marques de Sousa

Anúncios

5 pensamentos sobre “Um ano | One year

  1. Olá Sara, olá Pedro!

    Gosto de vos ler e verificar que a “loucura” como ouvi de alguém, tem sido uma boa jornada e feita muito a dois.

    Gosto da tranquilidade que transparecem, sabendo a loucura que viviam antes de embarcarem.

    Um abraço cheio de boas energias, a usarem qdo acharem que vos faz falta.

    Ana

    • Ana,

      Tão bom ouvir-te! Fica descansada, usaremos essa energia enviada directamente pela internet em dias de maior dificuldades.
      Muitos beijinhos para ti, para o Tó, o Tiago e a Clarinha!

  2. It has been fun to read about your travels after our very brief encounter. Thanks for taking the time to document it as you go along. Safe travels and best wishes for the next part of the adventure.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s