A família Garcia | Garcia family

Sair da praia em El Tunco não foi fácil mas há que continuar a viagem e foi isso que fizemos, pelas fantásticas estradas de El Salvador, onde mesmo que falemos em espanhol nos abordam em inglês, provavelmente por nostalgia do tempo passado nos Estados Unidos. Na costa, o único warmshower que existe é o José e a sua família, e mesmo tendo que subir uma pequena montanha para lá chegar decidimos visitá-lo. E em boa hora o fizemos!

Quando tinha doze anos o Jose viajou com os pais e os irmãos até Montreal, no Canadá, onde se instalaram e se nacionalizaram ao abrigo de uma lei humanitária, na época em que El Salvador estava em guerra civil. Nunca até então tinha ido à escola e não sabia ler nem escrever, mas o facto de lhe terem pedido para escrever o seu nome quando chegou e não o ter podido fazer, tendo em resposta recebido uma gargalhada, fez com que se transformasse num rato de biblioteca e rapidamente alcançou o nível dos da sua idade, vivendo a partir daí integrado na sociedade canadiana.

Um dia percebeu que do seu país pouco conhecia e resolveu mudar-se para El Salvador durante uns anos para o conseguir compreender. O que começou por ser uma piada transformou-se numa viagem de bicicleta a partir de Montreal, e desde então, mesmo antes de se inscrever na página warmshowers, sempre que vê ciclistas carregados o José pára-os na estrada e oferece-lhes a sua casa para passar uma ou várias noites.

Casado com a Mari, é pai da Xochitl e do Charlie (de quatro e seis anos), e com ele vivem também os sobrinhos Emerson, Keiry e Griselda. Tal situação é comum em El Salvador onde muitas famílias são separadas quando os pais vão em busca do sonho americano e se mudam para os Estados Unidos sem conseguir levar a família toda. Já o Jose descobriu que a vida em El Salvador supera largamente o sonho americano e, já dono de duas lojas, está apenas a aguardar que termine a época das chuvas para construir a sua própria casa.

A nós acolheu-nos juntamente com a Evelyn e o Aitor, com quem nos cruzámos pela quarta vez desde o México, e levou-nos ao mercado a San Miguel e depois emprestou-nos o seu carro para irmos à praia!

No Domingo, a pedido dos ciclistas, fomos todos, juntamente com a família e mais dois tios na sua carrinha de caixa aberta visitar Perquin, a cem quilómetros de distância, já nas montanhas, local onde se encontra o Museu da Revolução. O museu não é explicativo do que aconteceu mas serve de memória ao que se passou, especialmente a um massacre à vila de El Mozote onde morreram mais de mil pessoas, mulheres e crianças incluídos.

Mas nem só de cultura e história se pode viver, por isso também nos divertimos a visitar um acampamento guerrilheiro e passar pontes suspensas e depois almoçámos umas belas pupusas, o prato mais típico de El Salvador, constituído por tortilhas recheadas de queijo, queijo e feijão ou chcicharrones e queijo, servidas com uma salada em pickles. Uma verdadeira delícia, ainda por cima muito muito barata.

Da casa do José a saída seria rumo à fronteira mas uma dúvida assolava-nos o espírito, seguir até às Honduras, país que não tem reputação de ser extremamente hospitaleiro e dono do maior índice de violência de toda a América Central, ou apanhar um barco, passar pelo bonito golfo de Fonseca e entrar directamente na Nicarágua? A escolha não foi difícil e com a ajuda do José marcámos um barco que sairia do Muelle Coquito em La Unión até Potosi já na Nicarágua.

IMGP8282

IMGP0787

IMGP0790

IMGP0794

IMGP8321

Leaving the beach in El Tunco was not easy but we must continue our travel so that is what we did on the fantastic roads of El Salvador, where even tough we speak Spanish everybody addresses us in English, probably from the nostalgia of the time they lived in the United States. On the coast, the only warm shower that exists is Jose and his family, and even tough we had to climb a small mountain to get there, we decided to visit him. And in good time we did!

When he was twelve Jose traveled with his parents and siblings to Montreal, Canada, where they settled and were nationalized under an humanitarian law, at the time when El Salvador was in a civil war. Never until then had he been to school and could not read or write, but the fact that when he arrived someone asked to write his name and he wasn’t able to, getting in response to that a big laugh, turned him into a dedicated student and quickly he reached the level of his age, living thereafter integrated into the Canadian society.

One day he realized that he knew little of his own country and decided to move to El Salvador for a few years to understand it. What started as a joke turned into a bicycle trip from Montreal, and since then, even before enrolling in the warmshowers page, whenever Jose sees a loaded cyclist he stops them on the road and offers his home to spend one or more nights.

Married with Mari, he is the father of Xochitl and Charlie (of four and six years old), and he also lives with Emerson, Keiry and Griselda who are his nephews. This situation is common in El Salvador where many families are separated when the parents go in search of the American dream and move to the United States unable to take the whole family. Jose discovered that life in El Salvador greatly exceeds the American dream and now owns two shops and is just waiting for the rainy season to finish in order to build his own home.

He welcomed us along with Evelyn and Aitor, with whom we’ve crossed the fourth time since Mexico, and took us to the market of San Miguel and then lent us his car to go to the beach!

On Sunday, at the request of we cyclist, we all went along with the all family plus two uncles in his pick-up truck to visit Perquin, some sixty five miles away, in the mountains, where the Museum of the Revolution is located. The museum does not explain what happened but it serves as a memory of what happened, especially the massacre in the village of El Mozote where more than a thousand people were killed, women and children included.

But not only of history and culture can we live, so we had some fun visiting a typical guerrilla camp, crossing hanging bridges and then we had some wonderful pupusas for lunch. This is the typical dish of El Salvador, comprised of stuffed tortillas with cheese, cheese and beans or chicharrones and cheese, served with a pickles salad. A true delight, moreover very very cheap.

From Jose’s we would be leaving towards the border but a question plagued us the spirit, should we go to Honduras, a country that has no reputation for being extremely hospitable and owns the highest rate of violence in all of Central America, or take a boat, passing by the beautiful Gulf of Fonseca and enter directly in Nicaragua? The choice was not difficult and with Jose’s help we arranged a boat that would leave Muelle Coquito in La Unión towards Potosi already in Nicaragua.

Anúncios

Um pensamento sobre “A família Garcia | Garcia family

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s