Michoacán – o todo pela parte | Michoacán – the whole for the part

A maioria das pessoas com quem falávamos nos Estados Unidos acerca da nossa passagem pelo México desejavam-nos muita sorte e muito cuidado. Até à data tudo tinha sido um autêntico mexicano “no pasa nada”, uma tranquilidade apenas interrompida por alguns condutores mais amigos de se chegarem aos ciclistas. Com Michoacán a coisa já piou mais fino. Amigos mexicanos de Guadalajara tinham uma pior reacção que os seus vizinhos americanos – “não vão a Michoacán!”, “se vão a Michoacán sigam sempre pela auto-estrada”. As notícias não ajudavam. De um lado auto-defesas populares tinham tomado as cidades contra o conhecido cartel dos Templários, o governo tinha enviado tropas para as ruas, helicópteros, havia lojas incendiadas e gente com armas nas ruas. Que fazer? Fugir o mais rapidamente possível para o vizinho estado de Guanajuato e alterar os nossos planos? Ir às cegas e metermo-nos na toca do lobo?

Decidimos aprofundar a informação disponível e procurar fontes locais. Felizmente havia o Jorge, um warmshowers perto do lago de Patzcuáro, que à nossa pergunta acerca da segurança naquela zona nos respondeu que era tão seguro quanto o resto da viagem no México. Pois, pensámos nós, se for pela perspectiva dos americanos não é seguro de forma nenhuma, mas de acordo com o que já vivemos neste país não há problema. Uma olhadela à internet, em busca de notícias por cidades, revelaram-nos que naquelas onde íamos passar não havia este tipo de problemas. E fomos. Sempre à coca, sempre muito muito juntinhos (o que nem sempre é hábito), e a tentar sempre passar a noite em sítios muito seguros.

E não nos arrependemos, Michoacán é um estado lindíssimo, com montanhas, florestas e o lago de Patzcuáro, famoso pelas suas celebrações do Dia dos Mortos. E para nossa sorte, como a maioria da população evita a todo o custo passar pelo estado, o trânsito estava mais tranquilo do que é costume, os destinos turísticos mais baratos e com menos gente.

Depois de dois dias de viagem encontrámos o Jorge, que tem uma casa com vista para o lago, e que nos incentivou fazer uma volta ao lago em dois dias, sem a maioria da bagagem, o que nos soube a pato e nos deixou aproveitar de modo especial a mística muito própria de toda a região.

Muitas das pequenas aldeias são terras de povos indígenas, de antiga cultura tarasca, hoje em dia vivida como cultura purépecha e donas de nomes tão bizarros como San Jeronimo de Purenchecuaro, ou San Andres Tziróndaro, numa estranha mezcla indígeno-católica.

Visitámos Quiroga (com nome do principal Bispo da região), onde nos deliciámos com as famosas carnitas (sandes de carne de porco frita em banha) no mercado municipal, para logo de seguida entrarmos no Pueblo Mágico de Tzin Tun Tzan, onde vimos as nossas primeiras ruínas, não de pirâmides, mas de yacátas – a principal diferença é que estas têm base redonda.

Tomámos depois um caminho tranquilo pelas aldeias à volta do lago, silenciosas e calmas, para logo chegarmos à cidade de Patzcuáro, também um Pueblo Mágico, iniciativa promovida pela secretaria do turismo, para povoações que mantém a sua traça original e têm algo interessante a visitar. E Patzcuáro é efectivamente interessante, com as suas casinhas brancas e bordeaux, praças ladeadas de conventos, igrejas, casas senhoriais e uma biblioteca com um mural, tão tipicamente mexicano. Um local encantador, mas muito feito para turistas, cheio de lojas de artesanato, mas também com alguns programas culturais.

O que nos pareceu algo estranho foi a reacção da maioria das pessoas quando abordávamos o assunto da violência recente. Quase como se fosse um tabu, diziam-nos que era num sítio distante, que as populações pareciam adormecidas, mas ninguém parecia querer desenvolver muito o assunto, pelo menos em voz em alta, pelo que foi pelo que os nossos recentes amigos foram postando no facebook que nos fomos apercebendo da violência galopante.

Depois de um dia de descanso a apanhar as boas energias do lago, lá subimos mais uma serra (desde Guadalajara que vamos variando entre os 1500 e os 2200 metros de altitude), para chegar à bonita cidade de Morelia, capital do estado. Chegados ao entardecer, passeámos pelas ruas da cidade, que de uma forma muito vaga fazem lembrar Paris. Cidade cheia de estudantes e gente de boa pinta, que aproveita os espaços públicos da cidade dia e noite, deixou-nos vontade de ficar por uns dias mais. Infelizmente teve mesmo que ser, embora não pelos melhores motivos. Eu (Sara) fiquei doente e ainda levei uns dias a recuperar. Mas o que veio a seguir… foi mágico.

IMGP8847

IMGP5598

IMGP8856

IMGP8850

IMGP5638

IMGP8869

IMGP5643

IMGP8871

Most people with whom we spoke in the U.S. about our passage through Mexico wished us lots of lucky and to be very careful. To the date everything had been an authentic Mexican “no pasa nada” a tranquility only interrupted by some drivers who love to get close to cyclists on the roads. With Michoacán it was very different. Our mexican friends from Guadalajara had a worse reaction than their American neighbors – “Don’t go to Michoacán” , “if you go to Michoacán always stay on the main highway”. The news did not help. Some populars entitled autodefensas had taken the cities against the known Templar cartel, the government had sent troops to the streets, helicopters, shops had been burnt and there were people with guns on the streets. What to do? Escape as soon as possible to the neighboring state of Guanajuato and change our plans? Go blind and put ourselves in the middle of the confusion?

We decided to deepen the available information and seek local sources. Fortunately there was Jorge, a warmshower near Lake Patzcuáro, that to our question about the safety in the area told us that it was as safe as the rest of our trip in Mexico. Yeah, we thought, according to the prospect of Americans it would not be not safe at all, but according to what we have lived in this country, no problem. A research at the internet for news of the cities instead of the states, showed us that we were going to pass through those where there were no such problems. And so we went. Always alert, always very very close together (which doesn’t happen all the time), and always try to spend the night in very secure sites.

And we do not repent, Michoacan is a beautiful state with mountains, forests and Lake Patzcuáro, famous for its celebrations of the Day of the Dead. And lucky for us, as most people avoid at all costs going through the state, the traffic was quieter than usual, the tourist destinations cheaper and with fewer people.

After two days of travel we found Jorge, who has a home overlooking the lake, and that encouraged us to make a tour of the lake in two days, without most of the luggage, which was great and let us take advantage of the very own mystique of the whole region.

Many small villages are lands of indigenous peoples, ancient culture tarasca and today purépecha culture with as bizarre as San Jeronimo de Purenchecuaro, or San Andres Tziróndaro, a strange indigenous Catholic mezcla.

We visited Quiroga (the name of the principal bishop of the region), where we marveled with the famous carnitas (sandwiches of pork fried in lard) in the municipal market, to soon then enter the Pueblo Mágico of Tzin Tun tzan, where we saw our first ruins, not pyramids, but yacátas – the main difference is that these have a round base.

Then we took a quiet path through the villages around the lake, calm and silent, and soon we reach the town of Patzcuáro , also a Magic Pueblo – an initiative promoted by the secretary of tourism to villages which retains its original character and have something interesting to visit. And Patzcuáro is actually interesting, with its white and burgundy houses, its plazas surrounded by convents, churches, manor houses and a library with a mural, so typically Mexican. A lovely place, but with lots of touristy stuff, full of craft shops, but also with some cultural programs.

What seemed strange to us, was the reaction of most people when we approached the subject of the recent violence . Almost like a taboo , they told us it was in a distant site, the populations seemed asleep, but nobody seemed to want to develop it too much, at least out loud, so it was through our friends that have been posting recent stuff on facebook that we have realized the escalating violence.

After a rest day to catch the good energies of the lake, we rode over a mountain range (from Guadalajara to here we’ve ranging between 1500 and 2200 meters of altitude), to reach the beautiful city of Morelia, capital of the state. We arrived at dusk and walked through the glamorous streets of the city, which very vaguely resemble Paris. Full of students and nice looking people, who are constantly outside enjoying the plazas and the nice temperatures, the city left us wanting to stay for a few days more. Unfortunately we had to, though not for the best reasons . I (Sara) got sick and took me a few days to recover. But what came next … it was magical.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s