A costa do Oregon | Oregon Coast

Chegar à costa sempre foi por nós considerado como um marco importante na nossa viagem. Passámos praticamente cinco meses sem ver o mar, um verdadeiro recorde para nós habitantes de Lisboa, cidade à beira mar plantada. No Kansas lembro-me de ver no google maps que ainda estávamos a 2.700 km do mar da costa oeste, distância que percorremos mais ou menos em dois meses.

E sim, voltar a ver o mar foi como encontrar um velho amigo que já nos fazia falta, e ao mesmo tempo uma excitação, já que era a primeira vez que, quais Fernando Magalhães, punhamos os olhos no Oceano Pacífico!

O pior foi o resto!

Depois da semana solarenga em Portland, esperavam-nos dias de chuva, frio e humidade. Uma impossibilidade de mergulhar no Oceano, derivada da força das ondas e dos perigos vários daquelas águas às vezes tão calmas, e da temperatura da água, que é gelada, deixou-nos um bocadinho tristes. Mas, ainda mais frustrante que as condições atmosféricas, era a nossa incapacidade de fazer os oitenta quilómetros diários que tínhamos planeado.

Depois de termos subido a montanhas com mais de 3.000 metros de altitude, de termos conquistado passes atrás de passes, depois de nos terem dito que na costa o vento soprava predominantemente de Norte, achávamos que chegar à fronteira iam ser favas contadas. Nada disso.

Nos dias que se seguiram deparámo-nos com subidas íngremes e longas, cujas descidas se faziam depois num riscar de um fósforo, numa espécie de montanha russa sádica. O vento de frente acrescentava dificuldade às partes mais planas, e a noite ia caindo mais cedo a cada dia que passava. A nossa miserável gestão do tempo implicava começos tardios, almoços às quatro da tarde só para tentar chegar um pouco mais longe, e chegadas ao destino já praticamente de noite.

E no meio disto tudo, o tempo não ajudava em nada, três dias de chuva, para cada dois de sol, frio e vento. E se às primeiras jornadas íamos sendo ajudados pelos warmshowers, que nos foram albergando e alimentando, quando acabaram as possibilidades de ficar dentro de casa, voltámos a acampar, nos bons parques do Estado, geralmente com direito a um banho quente, mas tendo como único abrigo, face aos elementos da natureza, a nossa pequena tenda.

Os ciclistas com quem nos íamos cruzando também não ajudavam à festa, provavelmente por ser uma rota mais utilizada, não havia grande alegria em parar para falarmos uns com os outros, pouca ou nenhuma vontade de partilhar histórias, além de outras reacções bem mais estranhas como partir sem dizer água vai depois de dizermos que somos portugueses. Depois de nos termos habituados a gente tão interessante, amigável e porreira foi difícil absorvermos esta nova realidade. Verdade seja dita, com excepção do Jim, da Nikki, do Teal, do Big Mike, da Faye, do Tim e do Tom, não fizemos mais nenhumas amizades nos cerca de cem(?) ciclistas com quem nos cruzámos.

E para acabar com o rol de desgraças, que aqui já vai bem longo, havia ainda a pressão de chegar à fronteira a tempo da data limite dos nossos vistos para o país, razão pela qual, cada dia que passava com menos quilómetros feitos era sinónimo de preocupação.

Não se pense, no entanto, que tudo era mau!

A paisagem, é uma das mais bonitas que já vimos. Uma costa de areia dourada, com enormes rochas que saem da água azul e altos penhascos onde foi construída a estrada 101 (ler “uane ou uane”). Os dias começam inevitavelmente com um místico nevoeiro, que de repente vai descobrindo pequenos faróis, cidadezinhas pitorescas, e imensas florestas verdes que sempre acompanham a costa.

Leões marinhos, gaivotas, pelicanos, esguichos de baleia muito ao longe, focas, variadas aves marinhas e até coelhos foram-se cruzando no nosso caminho, salvo seja, para nos animar os dias difíceis. Fábricas de queijo, que nos venderam enormes gelados (cheesecake de morango e caramelo, são dois dos sabores preferidos), famílias de warmshowers que nos receberam de braços abertos, e claro, o mar sempre ali ao nosso lado!

A nossa última noite no Oregon foi a jóia da coroa! Depois de uns esforçados 80 km, chegámos finalmente ao parque de campismo já a noite caía. A ranger que nos atendeu perguntou se tínhamos uma boa tenda para o mau tempo, já que a probabilidade de chuva para aquela noite era de 100%. Como por artes mágicas começou a chover torrencialmente naquele preciso momento. Nós, desanimados, lá fomos para a parte destinada aos ciclistas pensando como é que íamos montar a tenda e cozinhar o jantar antes que o céu nos caísse em cima da cabeça. Atrapalhados será talvez a palavra que melhor descreve as nossas acções, enquanto procurávamos o sítio com menos poças de água para instalar a nossa real barraca. Desalentados a que melhor descreve o nosso estado de nosso espírito, enquanto discutíamos se o jantar eram umas sandes ou um arroz de um qualquer ingrediente que nos acompanhava na altura.

Como qualquer viajante poderá assegurar, ou como é de senso comum, quando as coisas correm mesmo mesmo mal, dificilmente poderão correr pior e, algo de bom, ou mesmo mágico, acontece. No nosso caso foi a Nikki, uma miúda australiana de 21 anos, que gentilmente nos convidou para o barbecue de ciclistas, composto pelos melhores cachorros quentes que já comi na vida. Mas afinal o pior ainda estava para vir, a nossa nova tenda, meteu água e fomos acordando de noite com umas gotinhas a cair na cara, e já de manhã com a parte de dentro molhada. E com este belo presente nos despedimos do Oregon, e do tempo mais molhado que já passámos, com a esperança, sim, essa que é a última a morrer, que o Sol da Califórnia nos anime o espírito e nos seque o material.
IMGP3479

IMGP3486

IMGP3489

IMGP3493

IMGP7368

IMGP3496

IMGP7377

IMGP7378

IMGP7380

Reaching the coast has always been regarded by us as an important milestone in our journey. We spent nearly five months without seeing the sea, a true record for us inhabitants of Lisbon, seaside town planted. In Kansas I remember seeing on google maps that we were still 1,677 miles away from the sea on the west coast, distance that we traveled roughly in two months.

And yes, to see the sea again was like meeting an old friend whom we have missed, and at the same time very exciting, since it was the first time that, like Magellan, we laid eyes on the Pacific Ocean!

The worst was the rest!

After a week in the sunny Portland, for us it awaited some days of rain, cold and humidity. The impossibility to dive into the ocean, derived from the force of the waves and the various dangers of these waters sometimes so calm, and the temperature of the water, which is cold left us can of sad. But even more frustrating that the weather was our inability to make the daily fifty miles we had planned.

After we climbed mountains with more than 11,000 feet of altitude, conquered pass after pass, after someone told us that in the coast the wind was predominantly from the north, we thought that getting to the border would be a piece of cake. We couldn’t be more wrong.

In the days that followed we faced long and steep climbs, whose descents were made in less than a strike of a match, a kind of sadistic rollercoaster. The head wind added difficulty to the flatter parts, and the night was falling earlier each passing day. Our miserable time management implied late starts, sometimes luch at four in the afternoon just to try to get a little farther, and arrives at the destination already at sunset or even at night.

Also the weather did not help at all, three days of rain, to every two of sun, cold and wind. And if in the early days we were being helped by warmshowers, where we were sheltered and feeded, after the first few days, we camped again in the good state parks, generally entitled to a hot bath, but having as the sole shelter against the elements of nature, our little tent.

Cyclists who we were going across the party also did not help, probably because it is a route most used, there was no great joy in stopping to talk with each other, little or no desire to share stories, and other weird reactions such as leaving without saying anything when we said to an italian guy that we were Portuguese. After getting used to such interesting, friendly and cool cyclists it was tough to absorb this new reality. Truth be told, with the exception of Jim, Nikki, Teal, Big Mike, Faye, Tim and Tom, we did not make any more friendships in a hundred(?) cyclists with whom we crossed.

And to end the list of woes, there was still pressure to reach the border in time for the deadline of our visas for the country, which is why, each day passed with fewer kilometers made was synonymous of concern.

Do not think, however, that it was all bad!

The landscape is one of the nicest we’ve seen. A strand of golden sand, with huge rocks that come out of the blue water and towering cliffs where the road 101 was built. Days begin inevitably with a mystical fog that suddenly discovers small lighthouses, quaint towns, and vast green forests that always accompany the coast

Sea lions, seagulls, pelicans, whale spouts far off, seals, seabirds and even rabbits were crossing on our way, to animate us in the difficult days. Cheese factories, which sold huge ice creams (strawberry cheesecake and caramel are two of the favorite flavors), warmshowers families who welcomed us with open arms, and of course, the sea always there by our side to cheer us up!

Our last night in Oregon was the crown jewel! After about 50 miles of hardworking, we have finally reached the campsite as night fell. The ranger who checked us in asked if we had a good tent for bad weather, since the probability of rain for the night was 100%. As by magic the rain started falling heavily at that precise moment. We, discouraged, there we went to the hiker/biker camp wondering how we were going up the tent and cook dinner before the sky fell over our heads. Muddled is probably the word that best describes our actions, while searching the site with fewer puddles to install our tent. Disheartened the one that best describes our state of our mind, as we discussed if dinner were some sandwiches or rice of any ingredient that accompanied us at the time.

As any traveler can secure, or as it is of common sense, when things go really bad something good, or even magical happens. In our case it was Nikki, a 21 year old ggirl from Australia, who kindly invited us to the cyclist’s barbecue, consisting of the best hot dogs I’ve ever eaten in my life. But after all the worst was yet to come, our new tent, got wet and we were waking up at night with a few drops falling on our faces, and in the morning the inside got really wet. And with this beautiful gift we parted from Oregon, and from the wettest time we ever had, with the hope, that that is the last to die, that the sun of California will cheer our spirit and dry our material.

 

Anúncios

2 pensamentos sobre “A costa do Oregon | Oregon Coast

  1. Espirito sempre positivo! …. Mais uma experiência, para o diário da viagem. Continuação de Boa Viagem em busca de novas aventuras.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s