A casa dos gatos | Cat’s house

Neste Kentucky dos cães e dos camiões carregados de carvão, que felizmente vêm munidos com bons condutores que se afastam de nós na estrada de forma segura, de pessoas mais pobres e menos abertas ao mundo, de armas à vista de todos em pleno MacDonald’s, de motards sem capacete, porque não é obrigatório, de vistas fantásticas, de RV’s que rebocam carros, de quintais cheios de coisas podres, de montanhas e subidas íngremes, de um inglês mais cerrado, mais difícil de entender, vamos encontrando alguns bons portos de abrigo onde passar as noites.

Depois do esforço diário a pedalar, um chuveiro é um paraíso, e um sítio seguro para passar a noite um bem essencial. Ficámos em parques de campismo baratos, um deles com wi-fi na tenda (muito bom para o contacto com a natureza!), ficámos no ginásio de uma igreja (sim, a igreja tinha um ginásio), ficámos nas traseiras de uma outra igreja, com um abrigo montado especialmente para albergar ciclistas. A este chegámos cedo, dormimos uma sesta em cima das mesas, jogámos crapô, tomámos um banhinho fresco, ouvimos uma noite de bluegrass na rádio e convivemos com ciclistas que entretanto foram chegando. Conhecemos os irmãos John e Juliana, americanos de Washington DC e o Maarten, um belga que também está a fazer a Transamerica, mas que pedala muito mais que nós, aqui fica o blog dele.

Um dos sítios mais peculiares onde ficámos foi em Hindman, na sociedade histórica de Hindman, um bed and breakfast exclusivamente para ciclistas. Há chegada deparamo-nos com a subida mais íngreme que já que tivemos que fazer. Com um gradiente de 25% e uma cancela pelo meio, parte teve que ser feita a pé, mas no cimo da subida aguardava-nos o David com um chá gelado para cada um, cada copo com o seu pedaço de hortelã, enquanto música clássica tocava à nossa volta, e exclama “Finalmente, os portugueses!”. Já estamos a ganhar fama, afinal de contas somos os únicos portugueses por aqui, e acima de tudo somos mais que lentos, por isso os outros ciclistas conhecem-nos, ficam encantados connosco (modéstia à parte), e deixam-nos para trás muito rapidamente.

A partir daqui tudo foi ficando mais interessante, o David tratou da nossa roupa, e quase ia tendo um ataque cardíaco quando lhe dissemos quanto tinham custado as roupas que a máquina dele ia encolhendo de forma permanente (felizmente conseguimos salvá-las a tempo!), o David tinha um carro com um pneu que teimava em não sair, e que afinal também tinha o tubo do combustível cortado (o Pedro lá conseguiu arranjar tudo de forma a que o carro consiga fazer uma viagem ao mecânico). O David, no fundo, é uma personagem, uma autêntica ave rara na população das Appalachia, e cheio de sentido de humor foi-nos falando de todos os animais possíveis e imaginários (incluindo variados tipos de aranhas, ursos ou mesmo cobras venenosas) que lhe aparecem ali bem perto da porta, do seu amor pelo Kentucky, de como as histórias de cães que chegam a morder os ciclistas são sempre na Virginia ou no Missouri, mas nunca no seu estado natal. Ao mesmo tempo que tudo isto aconteceu, ele foi-nos trazendo quantidades gigantescas de comida e mostrando fotos de ciclistas que por lá passaram e a impressão que lhe deixaram.

Para além de tudo o mais o David é um amante de gatos! Só entre o pátio e a casa tinha pelo menos oito, entre mães, filhos e irmãos. O nosso preferido foi batizado de Rod Stewart, conseguem adivinhar qual é?

David, sabemos que acompanhas o blog, este post foi feito como um elogio, e muito obrigada pelos momentos bem passados!

IMGP1668

IMGP1674

IMGP6051

IMGP6049

IMGP1671

IMGP6048

IMGP6047

In this Kentucky of chasing dogs and trucks loaded with coal, which fortunately come armed with good drivers who overtake us on the road safely, of the poor and least open to the world persons, of weapons in plain sight in the middle of MacDonald’s, motobikers without helmets, because it is not mandatory, fantastic views, RV’s towing cars, yards full of rotten things, mountains and steep climbs, a more closed english, harder to understand, we are finding some good harbors where to spend the nights.

After the daily effort to pedal, a shower is a haven, and safe place to spend the night an essential commodity. We stayed in cheap campsites, one with wi-fi in the tent (good for contact with nature!), we were in the gym of a church (yes, the church had a gym), we were at the back of another church with a shelter especially put for cyclists. In this one we arrived early, so we took a nap on the tables, we played cards, we took a fresh shower, we heard an evening programme of bluegrass on the radio and we hanged around with other cyclists who arrived after us. We met the brothers John and Juliana, from Washington DC and Maarten, a Belgian who is also doing the Transamerica but pedaling much more than us, here’s his blog.

One of the most peculiar places where we stayed was in Hindman, at the Hindman Historical Society, a bed and breakfast exclusively for cyclists. At arrival we found the steepest climb that we had to do. With a gradient of 25% and a gate in the middle, part had to be done on foot, but at the top of the climb David was awaiting us David with an iced tea for each one, each cup with your piece of mint, while classical music played around us, and exclaims “Finally, the Portuguese”. We are already gaining fame, after all we are the only Portuguese here, and above all we are the slowest, so the other cyclists meet us, are charmed us (modesty aside), and then go back to their quick rides, leaving us behind.

From that moment everything was got more interesting, David did laundry on our clothes, and almost had an heart attack when we told him the cost of the clothes that his machine nearly shrinked permanently (fortunately we were able to save them in time!), David had a car with a tire that stubbornly refused to leave, and after that also had the fuel hose cut (Pedro managed to arrange everything so that the car can make a trip to the mechanic). David is a character, a real distinct person in the population of Appalachia, and full of sense of humor he talked about all possible and imaginary animals (including various types of spiders, bears or even poisonous snakes) that sometimes might appear appear at his the door, of his love for Kentucky, how the stories of dogs that bite cyclists are always in Virginia or Missouri, but never in his home state. While all this is happening, he brought us huge amounts of food and showed us pictures of cyclists who passed through and the impressions they left on him.

Apart from everything else David is a lover of cats! Between the patio and the house he had at least eight, between mothers, sons and brothers. Our favorite was named Rod Stewart, can you guess which one it is?

David, we know you follow our blog, this post was meant as a compliment, and thank you for the moments well spent!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s