A rota das bifanas

Como seria de esperar, após uma sessão de cinema para descontrair na véspera, o acordar teve uma latência de meia-hora, que não foi recuperada graças à nossa crónica modorra matinal. Resultado: após descermos a colina em direcção ao Cais do Sodré sob chuva tempestuosa, perdermos o barco das 7 e meia por as binas não passarem no torniquete e termos que chamar o segurança que, muito prestável, ainda tentou segurar o barco pelo walkie-talkie, mas sem sucesso.

Mal chegámos ao cais do Montijo partimos prontamente. Eram oito e meia, estava frio e e ciclámos em torno da bela cidade em direcção à N4, que nos levaria na direcção nascente. Os primeiros quilómetros foram de adaptação, mas cedo chegou bom asfalto com, regra geral, uma berma generosa que nos deu a confiança necessária para uma manhã algo molhada. Mas até nisso não tivemos muito azar, só parámos uma única vez por causa da chuva, uns 5 minutos (e já depois de apanhar com o grosso das pingas) lá para os lados de Pegões Velhos, sob o abrigo de uma paragem de autocarro. Na verdade a chuva não incomoda muito em doses controladas: os impermeáveis mantêm a água fria longe do tronco e pernas; e as pernas e lycra (sim, lycra… :P) escorrem e secam num instante.

A paragem do almoço foi na meca da bifana. Vendas Novas, uma rua principal recheada de cafézinhos, ora à esquerda, ora à direita, com os mais sugestivos nomes relacionados com a iguaria: o Rei das bifanas, o Paraíso das Bifanas… Mas escolhemos por recomendação do meu guru das binas – obrigado Ernesto – o café Boavista, casa das bifanas. E que boa era, precedida por uma empada, seguida de quejiada e café e acompanhada de duas imperiais. Ai as saudades que vou ter deste Portugal.

Seguiu-se a parte mais dura: regressar ao selim. Até Montemor-o-Novo a primeira metade é fácil mas mói, e torna desafiantes as duas subidas depois das linhas de água à entrada da vila. Pela primeira vez usámos as “avozinhas” sem alternativa. O peso dos alforges aliado à lei da gravidade foram implacáveis e como recompensa, lanchámos umas torradas e chá na avenida principal de Montemor. Num café que servia bifanas, claro!

Partimos para a etapa mais dura do caminho, a N114, que liga Montemor a Évora, continua a subir lentamente até ao cruzamento do Escoural. Mas o maior obstáculo era o nosso cansaço, valeram-nos as sucessivas paragens, e o providencial ovo de chocolate negro que recebemos pela Páscoa. Mas a partir desse ponto, e enquanto anoitecia, voámos sucessivas ladeiras abaixo, sempre a rondar os 30 km/h, e devorando quilómetro após quilómetro até avistarmos a placa da cidade, já de noite. Passavam as nove e estávamos cerca da muralha, faltavam 500 m para o nosso porto seguro. Hoje ficamos em casa de amigos, ainda nesta viagem contamos experimentar o material de campismo. Amanhã partimos para Sousel numa etapa mais modesta.

Abraços a todos,

Pedro

Anúncios

Um pensamento sobre “A rota das bifanas

  1. O Café Boavista é o único que não é “rei” ou paraíso” e por isso mesmo reina. Serve as melhores bifanas do mundo há mais anos do que aqueles que gosto de lembrar.
    Boas viagens

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s