Meu amor | My love

Há um ano atrás, rodeados de família e amigos dizíamos sim a este compromisso de uma vida a dois.

Foi o início desta aventura, desta viagem louca, desta lua-de-mel que às vezes tem os momentos menos românticos de sempre, mas onde dia-a-dia vamos construindo as fundações para um casamento que se quer duradoiro.

Em vez da nossa primeira casa comprámos a nossa primeira tenda, e depois trocámo-la por uma onde vemos as estrelas e o nascer do Sol deitados no conforto dos nossos sacos-cama. O carro familiar foi substituído por duas bicicletas que já nos transportaram por 10.000 Km de florestas encantadas de árvores gigantes, desertos repletos de cactos, montanhas com picos cobertos de neve, vulcões activos e extintos, cascatas, rios, costas de mares calmos e revoltos, praias tranquilas de águas transparentes.

Juntos enfrentámos tempestades loucas, ventos fortes, molhas descomunais, calores em demasia, dias monótonos, estradas perigosas.

Em vez de confortáveis lençóis de algodão e edredons de penas, a nossa cama é feita de lençóis de seda em forma de múmia e de dois sacos-cama quentinhos, que unimos todas as noites para dormirmos abraçados. Os casacos de penas fazem as vezes de almofadas e os colchões dobrados e leves seguem nas traseiras da minha bicicleta.

Em vez de conjuntos de fofas e eficazes toalhas, levamos dois panos azuis, rápidos na sua auto-secagem, mas não eficientes o suficiente para ficarmos enxutos depois do banho.

Em vez de luxuosas malas de viagem comprámos dois conjuntos de alforges de cores berrantes, que mantêm secos os nossos parcos pertences e que nos permitem levar tudo connosco. O mais especial de todos leva tudo o que não consegues dispensar para me prepares deliciosas refeições. Com muita imaginação e poucos recursos, manténs-me alimentada e feliz, com energia suficiente para dias e dias de pedaladas sem fim.

Meu amor, neste ano aprendemos juntos a dar valor a coisas preciosas como água corrente e quente, electricidade, cadeiras e mesas, uma cama e um sítio onde dormir e descansar todas as noites. Passámos a ser identificados como o Pedro e a Sara, o casal de portugueses, os ciclistas, e até os portugueses sexy. Fizemos mil amigos, daqueles que dificilmente voltaremos a ver, daqueles de quem esperamos uma visita em Portugal, daqueles que nos fazem partir o coração quando chega a hora da partida. Cansámo-nos, divertimo-nos, desesperámos, ficámos sem saber o que fazer, fomos ajudados de mil maneiras, sentimos que a vida é boa e juntos tivemos saudades de casa.

Continuamos a discutir pelas mesmas razões que em casa, eu acho que temos demasiadas coisas, tu achas que eu devia levantar-me mais depressa de manhã. Tu continuas pessimista em relação ao orçamento, eu já quero um bocadinho mais de conforto e não passar as noites todas a acampar. Tu limpas as correntes e fazes a manutenção das bicicletas, enquanto eu assobio para o lado e vou escrevendo o diário da nossa viagem aqui no blog. Tu exasperas-te com a minha falta de jeito e tendência para o desastre, e ficas zangado quando estrago os objectos que querias manter sem um risco, eu finjo que não oiço de cada vez que não encontras alguma coisa e achas que já desapareceu definitivamente, sabendo que daí a nada, como por artes mágicas, vais encontrá-la no sítio onde a deixaste. E quando efectivamente desaparecem lambo-te as feridas e digo que sim, que o orçamento é suficiente para a substituirmos.

E vamos cuidando um do outro, como no dia em que me puseste água nas feridas depois da minha queda mais violenta, ou daquela vez em que me massajaste as pernas e as costas para relaxar os meus músculos cansados.

Ter-te ao meu lado permitiu-me realizar um dos sonhos da minha vida, conhecer um bocadinho do mundo!

Obrigada meu amor, Pedro, por este ano maravilhoso

DSC05076

IMG_4329

IMG_4229

A year ago, surrounded by family and friends we said yes to this commitment of a life together.

It was the beginning of this adventure, this crazy journey, this honeymoon that sometimes has the least romantic moments ever, but where day-to-day we are building the foundations for a long marriage.

Instead of our first house we bought our first tent, and then changed it for one that allows us to see the stars and the sunrise lying in the comfort of our sleeping bags. The family car was replaced by two bikes that have carried us through 10,000 km of enchanted forests of giant trees, cacti filled deserts, mountains with snow capped peaks, active and extinct volcanoes, waterfalls, rivers, coasts of calm or unruly seas, tranquil beaches of transparent waters .

Together we faced crazy storms, strong winds, colossal wets, too much heat, monotonous days, dangerous roads.

Instead of comfortable cotton linens and down duvets, our bed is made of mummy shaped silk sheets and two warm sleeping bags, that we unite every night so that we can sleep embraced. The down coats are used as pillows and the mattresses folded and light go on the rear of my bike.

Instead of sets of fluffy and effective towels, we have two blue pieces of cloth, fast in their self – drying, but not efficient enough to dry us after a shower.

Instead of luxury suitcases we bought two sets of panniers in gaudy colors, that keep dry our meager belongings and allow us to take everything with us. The most special of all takes everything you can’t dispense to prepare delicious meals for me. With few resources and lots of imagination, you keep me fed and happy, with enough energy for days and days of endless pedaling.

My love, in this year we learned together to appreciate precious things such as current and hot water, electricity, chairs and tables, a bed and a place to sleep and rest every night. We are now identified as Pedro and Sara, the Portuguese couple , cyclists , and even the sexy Portuguese. We made a thousand friends, those we know we will never see again, those that we expect a visit in Portugal, those who make my heart break when the hour of departure arrives. We got tired, we have fun, we despair, sometimes we don’t know what to do, we were helped in a thousand ways, we feel that life is good and together we are sometimes homesick.

We continue to argue for the same reasons that we argue at home, I think we have too many things, you think I should get up quickly in the morning. You are pessimistic over the budget , I just want a little more comfort and not spend all nights camping. You clean the chains and do the maintenance of the bikes while I whistle to the side and I write the diary of our journey here on the blog. You get desperate with my clumsiness and tendency for disaster, and you’re angry when I damage the objects you wanted to keep without a scratch, I pretend I do not hear every time you can’t find something and you think it definitely has disappeared, hence knowing that, as by magic, you’ll find it in the place where you left it. And when they actually disappear I lick your wounds and say yes, that we have enough budget to replace it.

And we take care of each other as the day when you put me water in my wounds after my most violent fall, or that time when you massaged my legs and my back to relax my tired muscles.

Have you next to me allowed me to realize a dream of my life, knowing a little of the world!

Thank you my love, Pedro, for this wonderful year.

Anúncios

9 pensamentos sobre “Meu amor | My love

  1. show de bola Pedro.
    Sei bem o que vc escreveu. Qdo em maio último fiz a travessia da Cordilheira HuayHuash no Peru, fiquei dez dias isolados do mundo. Passei por comunidades que não possuem contato com esse mundo louco do conforto que nos cerca (ainda bem) e tive a certeza que o Mundo “ainda” não está globalizado. Tudo de bom sempre. Saudades. Abração pro casal. Luiz do Brasil.

  2. É aqui que se deixa uma lagriminha (das boas, de contentamento) por estas palavras tão bonitas ou o Tuli já alagou isto tudo?
    Despachem lá essa viagem que quero dar abracinhos aos dois (sem stress, posso esperar até darem a volta ao continente).

  3. Sara, that was beautifully said. Yes, marriage is composed of love, different points of view, but ultimately walking on the same path and counting on each other during difficult times. I’m glad to see you are safe. I don’t comment often, but I’m following you. Be safe. Isabel!

  4. Queridos Tuli e Sara deixo aqui um grande beijinho de parabéns, com a alegria de ter tido o privilégio de ter estado presente nesse belo dia há um ano atrás. Que texto bonito Sara, a senhora do cartório devia lê-lo para passar a contar a vossa história nos próximos casamentos que celebrar. Sempre é mais alegre que a dela!
    É com enorme prazer que leio o vosso blog (o único que sigo assiduamente, confesso) e vou acompanhando a vossa aventura. Espero só que ela não termine quando se meterem no avião para Portugal e que possa continuar a acompanha-la e fazer um bocadinho parte dela.
    Mas o que quero também muito é ver essa vossa tenda com vista para as estrelas. Parece top! Um dia emprestam-me para ir acampar à Galé? Isso ou vamos todos a um Super Bock Super Rock mais organizado, se um dia isso alguma vez existir, ou voltamos ao monte do Pedro no Algarve para a tournée do regresso dos Alás. Até lá, já me regozijo bastante com a imagem de vocês os dois lá dentro abraçados a contemplar o céu mexicano e todos os outros debaixo dos quais irão passar.
    Que corra tudo bem no México e se ambientem rápido. Não tarda o que vai parecer estranho é a realidade dos EUA…
    Bjs cheios de saudades e com vontade de me meter num avião e ir aí dizer um olá!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s