Born in the USA, ou como passar um 4 de Julho fantástico | Born in the USA or how to spend an amazing 4th of July

Quando escolhemos as datas da nossa viagem, sempre achei (Sara) que o 4 de Julho ia ser um ponto alto da viagem. Pois a realidade acabou por superar a expectativa. Tudo começou com um email a alguns warmshowers pedindo que nos dessem guarida a 3 e a 4 de Julho, e dizendo que gostaríamos de festejar o 4 de Julho de forma típica. Respondeu-nos a Jesse, que vive numa casa partilhada com mais quatro raparigas e um rapaz, três cães e dois gatos, uma espécie de comunidade, que chamam de Common Roost e que pretende trazer alguma vida cultural a Berea, Kentucky. Na resposta dizia que já tinham três ciclistas lá em casa nessa data, mas que os vizinhos se tinham voluntariado para arranjar um quarto extra para nós, e que iriam fazer uma grande festa pela América. Ficámos felizes!

Quando chegámos fomos brindados com uma mudança de planos, as cinco raparigas iam acampar para celebrar o 4 de Julho, a elas iam juntar-se mais três ciclistas (para além dos outros que já lá estavam) e nós estávamos convidados a ir com elas. Acampar é o que mais temos feito, mas a alternativa seria passar o 4 de Julho sozinhos e isso não teria a mínima graça. Assim, ainda que um bocadinho a contragosto acabámos por ir. Acabou por ser uma experiência diferente, porque o carro nos levou exactamente ao sítio do acampamento, a floresta nacional Daniel Boone, e porque acampámos com todas as comodidades, uma mesa com um toldo por cima, um bom fogão, água boa, cervejas, e por aí adiante. O problema foi mesmo a chuva, que começou devagarinho durante a noite e passou a uma chuvada durante a manhã, sem ares de querer despegar. Depois de um belíssimo pequeno almoço, resolvemos desmobilizar e voltar para casa.

Antes disso parámos num pequeno parque de estacionamento, onde deixámos os carros e seguimos a pé por um trilho no meio da floresta. Entre subidas e descidas de rochas e caminhos algo enlameados, chegámos a uma cascata, na verdade à parte de cima da cascata, onde a água ainda corre muito calmamente. Depois de atravessarmos este pequeno riacho, descemos por um caminho de terra e fomos dar ao belo lago onde as águas vão cair. Sem fatos de banho, lá fomos nós de roupa interior nadar no lago, quase tão frio como os rios do norte de Portugal, mas o banho soube pela vida e foi muito divertido nadar junto ao sítio onde a água caía. A caminho do carro fizemos um pequeno desvio para ver uma gruta e depois foi tempo de chegar a casa, tomar um banho, ver um filme e dormir uma sesta para nos prepararmos para a noite.

E como é que os americanos festejam o 4 de Julho? Como qualquer festa portuguesa há cerveja e muita comida. A festa foi em casa de uns amigos a dois quarteirões do sítio onde estávamos e começou às seis da tarde. Comemos cachorros quentes, macarrão e queijo, e um doce feito com rice crispys e marshmellows. A particularidade do 4 de Julho é o fogo de artifício, público, e que se vê em toda a cidade, mas a melhor parte são as bombinhas, os foguetes, e toda uma panóplia de fogos caseiros, que vão sendo lançados ao longo da noite.

A festa continuou em casa, que já tinha, para além das habitantes, dez ciclistas a pernoitarem, todos a dançar descalços na cozinha, ao som dos vários DJ’s caseiros. Os shots de bourbon iam sendo intercalados com garrafas de cerveja, (apenas para os americanos, claro!), e a festa terá durado até às tantas, segundo o que nos contaram, já que nós andamos com horários de ciclistas e no dia seguinte tínhamos que nos levantar cedo para um compromisso pré-agendado.

IMGP1699

IMGP1701

IMGP1703

IMGP1706

IMGP1708

IMGP1718

IMGP1730

IMGP1735

When we choose the dates of our trip, I (Sara) thought that the 4th of July would be a highlight of the trip. Well, the reality turned out to exceed the expectations. It all started with an email to some warmshowers hosts asking to give us shelter at the 3rd and the 4th ofJuly, and explaining that we would like to celebrate the 4th of July on a typical way. Jesse who lives in a shared house with four girls and one boy, three dogs and two cats, answered us. They live in a community house they call Common Roost and they want to bring some cultural life to Berea, Kentucky. In her answer she said that they had already three cyclists at their house on that date, but the neighbors had volunteered to arrange an extra room for us, and they would make a great party for America. We were happy!

When we arrived we were treated with a change in plans, the five girls were preparing to go camping to celebrate the 4th of July, joining them there were three more cyclists (apart from the others that were already there) and we were invited to go with them. Camping is what we have done mostly, but the alternative would be to spend the 4th of July by ourselves and would ruin it. Thus, even if a little grudgingly we ended up going. Turned out to be a different experience, because the car took us exactly to the site of the camp, the Daniel Boone National Forest, and because we camped with all the amenities, a table with an awning over it, a good cooker, good water, beers, and so forth. The problem was the rain, it began slowly during the night and went to a downpour in the morning without the feeling that it would stop. After a wonderful breakfast, we decided to demobilize and return home.

Before that we stopped in a small car park and we walk through a path in the woods. Among ascents and descents of rocks and muddy paths, we reached a waterfall, in fact the top of the waterfall, where the water still runs very quietly. After crossing this small stream, we descended in a dirt road and we went to the beautiful lake where the water falls. With no bathing suits with us, we went swimming in our underwear. The lake was almost as cold as the rivers of northern Portugal, but it was really good and it was fun to swim near the place where the water falls. In our way to the car we made a small detour to see a cave and then it was time to get home, take a bath, watch a movie and take a nap to prepare for the night.

And how do Americans celebrate the 4th of July? Like any Portuguese party with beer and lots of food. The party was at a friend’s house two blocks from where we were staying and it started at six o’clock. We ate hot dogs, macaroni and cheese, and a sweet made with rice Crispys and marshmellows. The particularity of the 4th of July are the fireworks, the public ones that can be seen throughout the toen, but the best part are the firecrackers, rockets, and a whole array of homemade fireworks, which are released throughout the night .

The party continued at home, which had, by that time, in addition to the inhabitants, ten cyclists to stay overnight, all dancing barefoot in the kitchen, tto he sound of the various homemade DJ’s. The shots of bourbon were being interspersed with beer bottles (only for Americans, of course), and according to what someone told us in the morning the party went on and on. For us, has we are know on the cyclist schedule, we went to bed early, so that we could attend our pre-scheduled appointment.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s