Jiquilillo

Quis o destino, as cartas ou os búzios lançados, a vontade dos deuses, ou uma mera coincidência que no mesmo barco que nos trouxe à Nicarágua viesse o Alexei, francês, que ia fazer voluntariado em Jiquilillo.

Cumpridas as burocráticas formalidades de entrada na Nicarágua, pagos os doze dólares pedidos (para cada um), vimo-nos em Potosi, cidade de muito pouco interesse e apenas com um hotel, sem saber muito bem se devíamos continuar pela estrada de terra batida com os cinquenta graus que se faziam sentir ou ficar. Eram duas da tarde e as condições diziam-nos que ficássemos e então o Alexei falou-nos de Jiquilillo, a uns cinquenta quilómetros dali, uma pequena vila de pescadores e surfistas junto à praia. Estava no limite do que conseguiríamos fazer em quatro horas, evitando pedalar na escuridão e decidimos ir.

Pelas estradas rurais da Nicarágua, às vezes de alcatrão, outras vezes em terra batida, às vezes com vacas, outras com cavalos, com pouco trânsito e muitas aldeias de agricultores chegámos a Jiquilillo, uma pequena aldeia localizada numa língua de terra, num estuário protegido, uma parte quase intocada da Nicarágua.

Por oito dólares por noite temos uma cabana a três metros do mar, um “posto romântico” com mesas para comer ou escrever, redes, o mar a poucos passos, tranquilidade, a constante frase de que este é um dos sítios mais seguros do país, o paraíso num cantinho nicaraguense, um canto de sereia para ficarmos pelo menos mais três dias.

E foi nesses dias que fomos descobrindo a pequena comunidade de Jiquilillo, o Carlos o dono do hotel, o Rey, seu cunhado, com quem passámos longas horas a conversar sobre a Nicarágua, a Costa Rica, onde trabalhou, e os Estados Unidos, para onde gostava de ir, o Wilson, um caribenho que faz pão de coco e empadas, e que está a aprender a tocar guitarra com o Paolo, um italiano que faz pizza três dias por semana, que por sua vez namora com a Jocelyn nicaraguense de gema. Para além de Jiquilillo, continua o estuário e a língua de terra, com mais aldeias de pescadores, onde se pode comer excelente peixe fresco, até ao fim, onde o rio se liga ao mar, e onde se podem ver mangais sem fim e inúmeras espécies de pássaros.

E depois há a fada madrinha, de seu nome Céline, uma francesa que ao viajar pela América Central veio parar a Jiquilillo e que se apaixonou de tal forma pelo sítio que, depois de cinco semanas de estadia, vendeu o carro e comprou um pedaço de terra. Vendo que as crianças da aldeia não tinham acesso a uma série de coisas, resolveu criar um espaço que os miúdos podem frequentar a seguir à escola (da parte da tarde) e fazer actividades ligadas às artes ou ao desporto, ler contos e dar asas à criatividade. O último equipamento foi uma pista de skate, feita no chão, que parece uma piscina e que foi escavada à mão pelos voluntários e com a ajuda dos locais. Nos dias que aí passámos o Luke estava a começar as aulas de skate. Uma pista de skate pode parecer supérflua mas num sítio onde as estradas são de terra batida, são poucos os espaços em cimento onde se pode patinar. A hada-madrina funciona graças à boa vontade da Céline, que vai à Europa trabalhar alguns meses por ano para alimentar o projecto, mas também através de donativos e de pessoas que queiram ir ajudar. E o cenário não podia ser melhor, para quem gosta de praia, calor, surf, bananas e claro de crianças!

IMGP0829

IMGP0844

IMGP0856

IMGP0858

IMGP8369

IMGP8373

IMGP8390

Maybe it was destiny, the cards, the orixas, gods’ will or a simple coincidence that on the same boat that brought us there was another traveler called Alexei, from France who was going to volunteer in Jiquilillo.

After all the border formalities and the payment of 12 dollars each to enter Nicaragua, we found ourselves in Potosi, a small village with little to see or do, just with one hotel, and we didn’t know if we should take the dirt road out of there, facing the 50º degrees celsius, or just stay. It was already two and the conditions told us to stay but then Alexei mentioned Jiquililo, a small fishing and surfing village just 50 km from there. It was the limit of what we could do in four hours before night fall so we decided to take our chance.

Trough the rural roads of Nicaragua, sometimes dirt, sometimes paved, sometimes with cows, other times with horses, with few traffic and lots of farmer’s villages we got to Jiquilillo, a small village located in a piece of land of a protected estuary, an almost untouched part of the country.

We got a small hut, just three meters from the ocean, for eight dollars a night, including a “romantic set” with tables to eat or write, the ocean just a few steps away, hammocks, peacefulness, the constant saying by the locals “this is one of the safest places in the country”, a little corner of paradise, a siren enchantment for us to stay at least three days.

It was on those days that we discovered Jiquilillo’s small community, Carlos the romantic hotel owner, Rey his brother in law with whom we spent long hours talking about Nicaragua, Costa Rica, here he had worked, and the United States that he would like to visit, Wilson, a guy from the caribbean side who makes coconut bread and empanadas and is learning how to play guitar from Paolo, the italian who makes pizza three times a week and who is dating Jocelyn born and raised in Nicaragua. Besides Jiquilillo the stretch of land continues as well as the estuary, with more fishing villages, where it is possible to eat amazing fresh fish, until the end where the river enters the ocean, and where it is possible to see mangroves and observe all sorts of birds.

And then there is the fairy godmother. Her name is Celine, a french girl who was travelling through Central America and ended up in Jiquilillo. She fell in love with the place in such a way that after five weeks of stay she sold her car and bought a piece of land. She observed that the children from the village ddn’t had any access to some stuff or activities so she decided to create a place where they can come after school and make some art activities, sports, storytelling thus developing their creativity. The last equipment they built was a sort of skate park, kind of a skate pool, all done by the volunteers with the help of some of the local boys but without any machinery. It may sound a little unnecessary but if we think all the roads are dirt roads there are few places where one can skate. Hada-madrina works thanks to the good will of Celine who goes to Europe for some months a year to work and make money for the project, but also thanks to some donations and people who want to come and help. And the setting couldn’t be better, for those who love beach, hot weather, surf, bananas and of course, children!

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s