Doze dias na capital e a despedida | Twelve days in the capital and the farewell

O nosso plano original era ficar cinco dias a uma semana na Cidade do México, acabámos por ficar doze, graças ao Paul e à Alexa, e também ao Peeder, que tornaram a nossa estadia memorável, principalmente pela amizade que foi crescendo nestes dias.

Para além do que já contámos a nossa estadia foi feita de muitas visitas turísticas, ao Palácio de Bellas Artes, um impressionante sonho Art Noveau, com uma exposição da artista Louise Bourgeois e os típicos murais mexicanos, ao Bosque de Chapultepec, onde o Paul e a Alexa vão correr de vez em quando e que nos permite abstrair-nos da loucura da cidade. No Zócalo, a praça central de qualquer cidade, encontrámos novamente o Aytor e a Evelyn, e juntos entrámos na imponente catedral enquanto afinavam os órgãos num zumbido desafinado que nos fazia sorrir, e visitámos o Palácio Nacional com o Paul, um ciclista do Oregon que entretanto também chegou à cidade. No Castelo  de Chapultepec aprendemos sobre a história do México, vislumbrámos as montanhas que rodeiam a cidade, e a nítida poluição que lhe serve de capa, e tivemos um encontro inesperado com a Claire, uma francesa que tínhamos conhecido em Berlim.

Levámos banhos de multidão de cada vez que saímos ao fim-de-semana para os sítios mais populares da cidade, mas também aproveitámos a calma dos bairros mais tranquilos perto do sítio onde morámos, comemos coisas boas e algumas repetimos: comida poblana, sushi num dois por um, mariscos e ceviche, tacos… Aproveitámos o dia em que fecham as principais avenidas para vermos a cidade de bicicleta, surpreendemo-nos com o enorme campus universitário, tão grande que tem as suas próprias rotas de autocarro, entrámos timidamente numa inauguração de uma exposição numa galeria, bebemos pulque, vimos velhinhos a ter uma aula de danzón vestidos a rigor, elas de leque na mão, eles de chapéu, e jovens estudantes a dançar salsa debaixo de uma arcada no campus.

Graças à minha amiga Mafalda, que estava determinada em oferecer-nos uma noite num hotel que o nosso orçamento não comporta, para celebrar o nosso primeiro aniversário de casados, mas que só agora conseguimos aproveitar, ficámos a conhecer o Valentina Room Mates, em plena Zona Rosa, no bairro mais gay da cidade, cheio de bares a passar Village People a plenos pulmões e um igual índice de sex shops que intercalava os bares, o que tornou a estadia ainda mais divertida.

E… voltei à sede das guias, onde tinha ficado em 2001, e que está igualzinha, embora o bairro à volta esteja muito mais moderno.

Infelizmente tivemos que nos vir embora, e seguindo os conselhos do Peeder tomámos a Divisón Norte, e a um Domingo, chegar aos jardins flutuantes de Xochimilco, a 17 Km do centro, foi pêra doce, pior foi depois, mais 20 km, ainda de Cidade do México, composto por algo semelhante a pequenas aldeias, todas coladas umas às outras, cada uma com a sua festa ou feira, tornando o trânsito semelhante a uma gincana, entre carros, peões e autocarros. Lá nos safámos, e depois de um atalho por um estrada de terra batida, chegámos à cidade de Amecameca.

IMGP9259

Bosque de Chapultepec

IMGP9315

IMGP9318

Catedral

IMGP9341

Evelyn & Aitor

IMGP6274 - Versão 2

Alexa & Paul

IMGP6276

Peeder

IMGP6392

Paul

Our original plans were to stay between five days to a week in Mexico City, we ended up staying twelve thanks to Paul and Alexa, and also to Peeder, which made our stay memorable, especially due to the the friendship that has grown in those days.

In addition to what we already said here, our stay was made of the visit to many tourist like the Palacio de Bellas Artes, a stunning Art Nouveau dream, with an exhibition of the artist Louise Bourgeois and typical Mexican murals, the Bosque de Chapultepec, where Paul and Alexa go run from time to time and that allows us to abstract ourselves from the madness of the city. In the Zocalo, name of the central square of any city, we met again Aytor and Evelyn, and together we entered the imposing cathedral while the organs were tuning in a tune buzz that made us smile, and we visited the Palácio Nacional with Paul, a cyclist from Oregon that also came to town. In the Castillo de Chapultepec we learned about the history of Mexico, we got a glimpse of the mountains that surround the city, and of the pollution that of the pollution that covers it, and we had an unexpected encounter with Claire, a French girl that we had met in Berlin.

We took baths of crowd each time we went on a weekend to the most popular sites in the city, but we also took advantage of the calmness and quiet near the place where we lived, we ate good things and some we repeated: poblana food, sushi in two for one, seafood and ceviche, tacos … we saw the city by bike on the day they close the main avenues to traffic, we found ourselves within the huge university, with such a large campus that has its own bus routes, we entered timidly in an opening of an exhibition in a gallery, we drank pulque, we saw old people dressed up, having a danzón, the ladies wit a fan in hand, the men wearing hats, and we saw young students dancing salsa for fun under an archway on the campus.

Thanks to my friend Mafalda, who was determined to offer us a night in a hotel that our budget does not contemplate, to celebrate our first anniversary of marriage, but that we could only enjoy now, we got to know Valentina Room Mates in Zona Rosa, the gayest neighborhood in the city, full of bars lustily playing Village People and an equal ratio of sex shops that intersperse the bars, which made our stay even more enjoyable.

And .. I went back to the Girl Guide‘s headquarters, where I was in 2001, and that remains the same, although the neighborhood around it is much more modern.

Unfortunately we had to go, and following the advice of Peeder we took the División Norte street to leave town, and on a Sunday , reaching the floating gardens of Xochimilco, 17 km from the center, was a piece of cake. The worst thing was that for the next 20 km, yet inside Mexico City, composed of something like small villages, all connected to each other, each with its feast or fair, making the passage like a competition between cars, pedestrians and buses. We finally made it, and after a shortcut on a dirt road, we reached the town of Amecameca.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s